Arquivo do mês: setembro 2008

O seu amor me completa

Nú olhar!Definitivamente preciso confessar aos quatro cantos do mundo que nunca mais poderei viver ou simplesmente respirar sem me permitir ser amado por Deus. Eu não sei explicar mais é algo que cresce a cada dia. É como uma sede que consome a minha alma e meu coração. Meu amor, meu amigo, meu pai, Deus meu! Nesse mesmo instante estou consumido por um profundo amor e desejo de ser e estar mais perto dele. Ouvir sua voz e falar das minhas dores e fraquezas sem medo, partilhar sonhos e planos sem nenhum tipo de culpa. Me descubro a cada minuto dependente desse amor. Um amor que me faz livre e me faz sentir a pessoa mais importante do mundo. Nunca me calarei ou deixarei de confessar isso. Enquanto eu respirar quero que todos nesse mundo e por onde eu pisar sintam também alegria que é pertencer a um Deus que ama e quer cuidar de mim cada dia mais.
Neste mês de setembro recebi um convite para que juntamente com a Comunidade Sagrada Família, no bairro da Machava em Maputo/Moçambique, preparasse e animasse um encontro para cerca de 70 jovens de bairros e comunidades diferentes que estariam participando. Sem olhar para trás ou pensar duas vezes disse sim a Deus na pessoa do Frade Carmelita, Rogério. Apenas um mês de preparação. Com pouquíssimo tempo para organizar tudo descobri que Deus além de escrever certo por linhas tortas faz retiro de jovens em Moçambique/África sem ministério de música e sem pregadores!
Foi um fim de semana incrível e surpreendente! Sexta-feira à noite chegam os jovens e já estava tudo preparado com alguns casais locais e também os jovens responsáveis pelo grupo de juventude da paróquia que com muita alegria realizou todo encontro de forma “moçambicana” ou seja, bem lenta, mas eficaz. Conseguimos tudo! Não faltou comida para o “mata-bicho”, que é conhecido por nós brasileiros como café da manhã, nem para as refeições.
Trabalhamos as pregações: O chamado de Deus para mim, Oração, Relacionamento Pais e Filhos, Sacramento da reconciliação, Eucaristia, Jovem no Mundo e o Testemunho de um jovem cristão em Moçambique! Esses temas foram suficientes para que possamos construir um retiro repleto da benção e graça do céu! Por muitas e muitas vezes durante esse fim de semana senti o desejo de ter todos os dons do mundo para poder ajudar essa gente, porém é nessa hora, bem nesse momento que Deus quer me mostrar o quanto preciso ser confiante na suas força e assim permiti que sua graça e seu poder se manifeste!
O momento mais marcante pra mim foi a pregação do relação de pais e filhos onde um casal cristão da paróquia deu seu testemunho de família que foi muito interessante pra mim que não sou acostumado com o perfil moçambicano de viver a família.
“Aqui é tudo muito machista. O homem é o centro e a mulher é sempre a subordinada. Eles mandam e a mulher se ajoelha, literalmente, e obedecem as ordens. Desde esquentar a água pro banho até a satisfação dos desejos sexuais. E abrindo um parênteses para falar em sexo e relacionamentos moçambicanos, a forma de pensar do homem em Moçambique é um tanto quanto extrema no que diz respeito ao machismo. Ainda tenho conflitos nas minhas conversas com os homem aqui, sejam professores, alunos ou o “Seu Pedro” que recolhe o lixo aqui na nossa casa.
No casamento aceitam a poligamia como algo comum e normal, a mulher aceita que o marido tenha outra dentro de casa, ou seja, dois quartos, duas camas, tudo duplo. O homem é o “rei” o patrão, o chefe da casa. Parece até um comportamento animal. Isso é porque a grande maioria das mulheres da geração passada não possui acesso a educação e por isso, sem dinheiro e oportunidade de trabalho e educação, cresce a espera de um “gajo” – homem qualquer, mas que tenha alguma posse, que lhe tire da casa de seus familiares e a leve para sua casa. As meninas ficam em casa treinando para ser a que cozinha, costura, passa e lava melhor a fim de que quando chegue o gajo esperado ela seja escolhida no lugar da irmã ou da vizinha. Triste! Mas infelizmente isso é real! Claro que as coisas tem mudado muito na historia e na vida do povo moçambicano, mas a sociedade ainda sofre os reflexos dessa época em que o homem é o dominador e repressor dentro e fora de casa.
Voltemos ao retiro. Nesse instante onde a família se manifestava de forma cristã porém um tanto rígida no que se diz respeito ao que estamos acostumado no Brasil. Pude assim trabalhar na oração, a visão do Deus que é pai e com esse olhar de um Deus de amor mostrar que Deus é um pai que nunca abandona, que bate, que espanca, se embriaga, tem HIV/AIDS, bate na mãe, nos irmãos, estupra, acusa… enfim todas essas realidades que encontramos nas famílias moçambicanas e com a anistia da dinâmica do “Abraço de pai” e ajuda do mistério de musica chamado “iPOD” coloquei músicas que os levaram a refletir sobre essa relação e assim perdoar suas famílias e serem curados pelo poder do amor!
Foi realmente impressionante o que pode ser feito com tão poço nesse povo tão amado e querido por Deus. Ao fim do retiro pude ver no rosto e faça de cada um deles a alegria do amor, da cura e da transformação de Deus. Muitas lagrimas presas rolaram pelo chão empoeirado da sala de aula daquela escola publica que nem muros possuía, choros e gritos descontrolados de dor e vazio que sentiam foram transformados por sorrisos tímidos de alegria e esperança.
Como me encanta o cuidado de Deus por todos! Não sei se você já teve a oportunidade de ver o poder transformador de Deus agindo perto, bem de frente a você! Isso é graça. Eu quero mais! Um dia um cantei com alma uma canção que diz assim
Alguém da Ásia me disse: Vem me ajudar. Posso ouvir a África pedir socorro. Ruanda, Somália, Nigéria clamando por um pouco de amor, vou fazer tudo que posso fazer… eu vou, tenho muito pra dar, eu vou, o evangelho pregar….
Como ouvirão senão há quem pregue? Como pregar se ninguém se dispõe a ir? Como crerão naqueles de quem nada ouviram?
Eis-me aqui, eu vou, eis-me aqui, senhor, Eis -me aqui, eu vou, eu vou
Pelo chão do Brasil, eu vou, Deus me quer pras nações!
Que a paz e a força do Deus esteja com você sempre!